Página inicial
29 de Julho de 2014
O verdadeiro programa da direita
Silvio Caccia Bava
Benett
E mais um monte de charges
Ferréz
Vendo Verdades
Maíra Kubík Mano
Hoje é o Dia Nacional do Homem, vamos comemorar!
Raquel Rolnik
Diálogos com a Ocupação Eliana Silva
Logo após a Copa do Mundo, o debate sobre a eleição presidencial deve dominar a agenda. Em comparação ao pleito de 2010, quais são suas expectativas quanto ao nível do debate eleitoral deste ano?
Com nível de debate melhor do que de 2010
Com nível de debate pior do que de 2010
O nível de debate será no mesmo de 2010
  Resultados 
Para receber digite o seu email.
EDITORIAL
Tamanho da fonte: | |
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
10 razões para legalizar as drogas

por John Grieve

Este texto é uma exceção. No lugar do editorial que costumeiramente publico nesta página, apresento para vocês – leitoras e leitores do Le Monde Diplomatique Brasil – uma reflexão de um especialista em Inteligência Criminal da Scotland Yard. Boa leitura!
Silvio Caccia Bava

1 – ENCARAR O VERDADEIRO PROBLEMA  

Os burocratas que constroem as políticas sobre drogas têm usado a proibição como uma cortina de fumaça para evitar encarar os fatores sociais e econômicos que levam as pessoas a usar drogas. A maior parte do uso ilegal e do uso legal de drogas é recreacional. A pobreza e o desespero estão na raiz da maioria do uso problemático da droga, e somente dirigindo-se a estas causas fundamentais é que poderemos esperar diminuir significativamente o número de usuários problemáticos.  

 2 – ELIMINAR O MERCADO DO TRÁFICO

O mercado de drogas é comandado pela demanda e milhões de pessoas demandam drogas atualmente ilegais. Se a produção, suprimento e uso de algumas drogas são criminalizados, cria-se um vazio que é preenchido pelo crime organizado. Os lucros neste mercado são de bilhões de dólares. A legalização força o crime organizado a sair do comércio de drogas, acaba com sua renda e permite-nos regular e controlar o mercado (isto é prescrever, licenciar, controle de venda a menores, regulação de propaganda, etc..).

3 – REDUÇÃO DRÁSTICA DO CRIME

O preço de drogas ilegais é determinado por um mercado de alta demanda e não regulado. Usar drogas ilegais é muito caro. Isto significa que alguns usuários dependentes recorrem ao roubo para conseguir dinheiro (corresponde a 50% do crime contra a propriedade na Inglaterra e é estimado em 5 bilhões de dólares por ano). A maioria da violência associada com o negócio ilegal da droga é causada por sua ilegalidade. A legalização permitiria regular o mercado e determinar um preço muito mais baixo acabando com a necessidade dos usuários de roubar para conseguir dinheiro.Nosso sistema judiciário seria aliviado e o número de pessoas em prisões seria reduzido drasticamente, economizando-se bilhões de dólares. Por causa do preço baixo, os fumantes de cigarro não têm que roubar para manter seu hábito. Não há também violência associada com o mercado de tabaco legal.

4 – USUÁRIOS DE DROGA ESTÃO AUMENTANDO

As pesquisas na Inglaterra mostram que quase a metade de todos os adolescentes entre 15 e 16 anos já usou uma droga ilegal. Cerca de 1,5 milhão de pessoas usa ecstasy todo fim de semana. Entre os jovens, o uso ilegal da droga é visto como normal. Intensificar a guerra contra as drogas não está reduzindo a demanda. Na Holanda, onde as leis do uso da maconha são muito menos repressivas, o seu uso entre os jovens é o mais baixo da Europa. A legalização aceita que o uso da droga é normal e que é uma questão social e não uma questão de justiça criminal. Cabe a nós decidirmos como vamos lidar com isto. Em 1970, na Inglaterra, havia 9.000 condenações ou advertências por uso de droga e 15% de novas pessoas tinham usado uma droga ilegal. Em 1995 os números eram de 94.000 e 45%. A proibição não funciona.

5 – POSSIBILITAR O ACESSO A INFORMAÇÃO VERDADEIRA E A RIQUEZA DA EDUCAÇÃO

Um mundo de desinformação sobre drogas e uso de drogas é engendrado pelos ignorantes e preconceituosos burocratas da política e por alguns meios de comunicação que vendem mitos e mentiras para benefício próprio. Isto cria muito dos riscos e dos perigos associados com o uso de drogas. A legalização ajudaria a disseminar informação aberta, honesta e verdadeira aos usuários e aos não-usuários para ajudar-lhes a tomar decisões de usar ou não usar e de como usar. Poderíamos começar a pesquisar novamente as drogas atualmente ilícitas e descobrir todos seus usos e efeitos – positivos e negativos.

6 – TORNAR O USO MAIS SEGURO PARA O USUÁRIO

A proibição conduziu à estigmatização e marginalização dos usuários de drogas. Os países que adotam políticas ultra-proibicionistas têm taxas muito elevadas de infecção por HIV entre usuários de drogas injetáveis. As taxas de hepatite C entre os usuários no Reino Unido estão aumentando substancialmente. No Reino Unido, nos anos 80, agulhas limpas para usuários e instrução sobre sexo seguro para jovens foram disponibilizados em resposta ao medo do HIV. As políticas de redução de danos estão em oposição direta às leis de proibição.

7 – RESTAURAR NOSSOS DIREITOS E RESPONSABILIDADES

A proibição criminaliza desnecessariamente milhões de pessoas que, não fosse isso, seriam pessoas normalmente obedientes às leis. A proibição tira das mãos dos que constroem as políticas públicas a responsabilidade da distribuição de drogas que circulam no mercado paralelo e transfere este poder na maioria das vezes para traficantes violentos. A legalização restauraria o direito de se usar drogas responsavelmente e permitiria o controle e regulação para proteger os mais vulneráveis.

8 – RAÇA E DROGAS

As pessoas da raça negra correm dez vezes mais risco de serem presas por uso de drogas que as pessoas brancas. As prisões por uso de droga são notoriamente discriminatórias do ponto de vista social, alvejando facilmente um grupo étnico particular. A proibição promoveu este estereótipo das pessoas negras. A legalização remove um conjunto inteiro de leis que são usadas desproporcionalmente no contato de pessoas negras com o sistema criminal da justiça. Ajudaria a reverter o número desproporcional de pessoas negras condenadas por uso de droga nas prisões.

9 – IMPLICAÇÕES GLOBAIS

O mercado de drogas ilegais representa cerca de 8% de todo o comércio mundial (em torno de 600 bilhões de dólares ano). Países inteiros são comandados sob a influência, que corrompe, dos cartéis das drogas. A proibição permite também que os países desenvolvidos mantenham um amplo poder político sobre as nações que são produtoras com o patrocínio de programas de controle das drogas. A legalização devolveria o dinheiro perdido para a economia formal, gerando impostos, e diminuiria o alto nível de corrupção. Removeria também uma ferramenta de interferência política das nações estrangeiras sobre as nações produtoras.

10 – A PROIBIÇÃO NÃO FUNCIONA

Não existe nenhuma evidência para mostrar que a proibição esteja resolvendo o problema. A pergunta que devemos nos fazer é: Quais são os benefícios de criminalizar qualquer droga? Se após analisarmos todas as evidências disponíveis concluirmos que os males superam os benefícios, então temos de procurar uma política alternativa. A legalização não é a cura para tudo, mas nos permite encarar os problemas criados com o uso da droga e os problemas criados pela proibição. É chegada a hora de uma política pragmática e eficaz sobre drogas.

John Grieve comandante, é membro da Unidade de Inteligência Criminal, Scotland Yard


Compartilhe:
     | More
 
comentários
24 comentários

16/07/2014 - 03:53hs - Erich Andreii
Alguns falam aqui das drogas e do poder destrutivo delas,mas é só fechar essa página,qui vão se entupir de tarja preta e alcool,ce num acha quii isso tambem não é droga? ACORDEM HIPÓCRITAS!!! Queria ver se proibisse seu DIAZEPAN,garanto quii se vendesse numa boca ce ia buscar rapidinho! Por isso o ditado mais certo a se dizer é: PIMENTA NO CU DOS OUTROS É REFRESCO!
07/05/2014 - 09:11hs - euza
Surpressa. Gente. Sabe. o. Que. Eu. Descobri. Os. Teaficantes. De. Drogas. Estao. Usando. Adolescentes. Prostitutas. Para. Tentar. Legalizar. As. Drogas. Por. Essa. Ninguem. Esperava. Numa. Entresvista. Uma. Prostituta. Mirim. Disse. Que. Se. Liberar. as. Drogas. Quebram. O. Comercio. Dos. Traficantes. Mentira. Querem. Liberdade. Para. O. Comercio. Livre. Das. Drogas. Que. Podem. Matar. E. Destruir. Familias. E. Alem. De. Viciar. As. Pessoas. Sendo. Internadas. Por. Doencas. Causadas. Pelas. Drogas. Os. Crimes. Aumentaria. A. Violencia. Tambem. Deveriam. Proibir. Usuarios. De. Drogas. Droga. Nao. Tras. Felicidade
31/03/2014 - 14:56hs - Jorge Lyno
Entendo que o Brasil possui demandas muito mais urgentes como a melhoria da educação, sobretudo da educação de base, por exemplo! Aliás, toda discussão é bem mais rica numa sociedade educada e esclarecida. Isso faria diferença no debate acerca da legalização ou não das drogas. Achar que haverá o enfraquecimento do tráfico de drogas com a legalização das mesmas é uma total ingenuidade. Toda vez que precisamos comprar algum componente eletrônico (fones, baterias de celular, mp4 e afins) recorremos ao mercado informal, por oferecer preços reconhecidamente mais baratos que os do mercado formal. Sendo isso certo ou não, fato é que tal hábito está arraigado em nossa cultura. O mesmo aconteceria com a drogas, pois, legalizadas, receberiam os tributos do Estado, que seriam repassados ao preço final, tornando-a mais cara do que a droga vendida nas bocas de fumo. Desta forma, claro está que a legalização beneficiaria apenas a classe mádia, não enfraquecendo o tráfico coisíssima nenhuma! Somos um país com múltiplas precariedades: um sistema único de saúde caótico, metade das residências sem saneamento básico, um considerável número de pessoas na extrema pobreza, etc. Não demos ainda conta do que é elementar, para ficar discutindo, quando muitos países que legalizaram as drogas estão voltando atrás, sobre algo que será, na minha opinião, nefasto à sociedade! Por tudo isso é que sou inteiramente contra a legalização das drogas!
15/03/2014 - 10:33hs - Márcio
A proibição é falha, sempre foi e sempre será. As drogas são como o sexo, sempre estiveram na sociedade, temos que aprender a conviver com ela e não proibi-la. Tirando que nem considero maconha uma droga, é uma erva daninha que é utilizada há mais de 5000 anos, inclusive medicinalmente, a sua proibição tem pouco tempo e ligada à fatores geo-políticos. Muito comentário ignorante e preconceituoso aqui, cada um faz o que quer com o corpo, não prejudicando o próximo..legalize já!
10/03/2014 - 18:58hs - Ademir Valença
Não deveriam liberar a maconha e nem droga nenhuma. Para combater o problema, bastaria as nações interessadas se unirem e atacar a raiz do problema, ou seja, os plantadores e produtores. Se conseguem se unir para atacar um país usando logística, aviões não tripulados e todo avanço da tecnologia da espionagem, atacar os coitados do narcotráfico seria como roubar o sorvete de uma criança. Mas o que acontece é que o mas fácil é liberar e tornar o povo mais ignorante do que já é. Pois vejam bem: no caso do Brasil, se governo liberasse as drogas e até as fornecesse gratuitamente, não iria acabar com os traficantes pois eles estão organizados e atuam em vários seguimentos, assim como, tráfico de armas, roubo a caixas eletrônicos, roubos a agências bancárias e grandes empresas, roubos a cargas, principalmente as eletrônicas e etc... Liberar as drogas só faria eles intensificarem as outras frentes e para isso ainda recrutarem os usuários do bolsa maconha do governo.
23/02/2014 - 21:04hs - how to get rid of cellulite
When someone writes an article he/she keeps the thought of a user in his/her brain that how a user can be aware of it. Therefore thats why this paragraph is amazing. Thanks! how to get rid of cellulite http://cellulite.adsboards.com
03/02/2014 - 10:47hs - Rayane
Matéria totalmente parcial, o que mais me assusta são os argumentos fracos utilizados. Islândia é o país mais pacifico do mundo e lá as drogas são CRIMINALIZADAS, contudo, há o índice pequeno de usuários. Ou seja, o problema não está na criminalização e sim no combate frouxo às drogas. Desse modo, prender todo mundo que a vende ou a utiliza não é combater adequadamente, além disso, deve existir um programa de inteligência EFICIENTE por trás dessas prisões. Com um combate rigoroso a Islândia conseguiu diminuir em 90% o uso de drogas. Assim, a liberação do uso de drogas é uma estratégia falha e medíocre, pois não resolveria o problema e sim o acentuaria. Imagine um comercial de cerveja brasileiro, agora e se ele fosse de drogas? Se o álcool já mata e da prejuízos, o que as drogas fariam? Essa matéria com certeza foi escrita por algum viciado, pois não é possível tanta besteira ter vindo de alguém lúcido.
15/01/2014 - 13:41hs - Alexandre

Sou totalmente a favor da legalização das drogas no Brasil, é oq muitos ja disseram o uso no Brasil já está liberado, o que não está é o comércio e isso é uma maravilha para os traficantes e para os policiais corruptos, legalizando o comércio, tiraremos o dinheiro enorme da mão do crime organizado.Vejam o alcool, imaginem se for proibido a produção da cachaça no Brasil, o que vai acontecer? em pouco tempo teríamos vários alanbiques clandestinos e uma guerra enorme entre eles, guerra para se conseguir uma maior numero de clientes, ou vcs acham que proibindo a produção de bebidas alcoolicas a pessoas iriam parar de beber? quem quer usar vai buscar a droga/alcool em qq lugar. O melhor caminho é legalizar e deixar tudo as claras, e aí sim enfrentar o problemas de frente, como ocorrer com os alcoolicos anonimos, não é crime, é um problema social, precisa ser tratado.

04/01/2014 - 08:08hs - Paulo Nascimento
Sou pai e professor. Cresci num bairro com enorme risco social. Trabalho com jovens alunos do ensino médio numa região onde eles estão submetidos a constante influência das drogas. Na escola que trabalho há turmas de mulheres, com baixa escolaridade, mães e avós, que relatam os dramas familiares de filhos presos e mortos por causa de dívidas com drogas. Manda-se matar por uma dívida de R$ 30,00. Não é como nos filmes da sessão da tarde. Imagino como seria nosso país com a legalização do comércio de drogas, por que o uso não é proibido. Se alguém for pego com uma quantidade de droga apenas suficiente para seu uso não será preso. O que é proibido é o comércio. Se eu flagrasse meu filho vendendo drogas, ele diria qual é meu pai? Não estou fazendo nada ilegal. Contratei uma consultoria do SEBRAE e abri uma empresa individual. E a importação de drogas? Os países vizinhos Colômbia e Bolívia são os maiores produtores. O Brasil é consumidor e passagem para outros países. Poderíamos então abrir empresas, comprando drogas na Colômbia e vendendo para países da Europa. Poderíamos até enviar delegações patrocinadas pelo governo brasileiro, como ocorrem rotineiramente para a China e Europa, para estabelecer contratos de comércio internacional. Receberíamos também estas delegações de empresários da droga, talvez no Itamarati, pelo presidenta Dilma, ou no palácio da Guanabara pelo governador Sérgio Cabral. Quando era jovem tinha muitas esperanças para o futuro do meu país, mas não esta. A rendição ao poderio das drogas. É jogar a toalha. Terei vergonha do meu país.
11/11/2013 - 14:30hs - Cristiano
Nunca vi uma reportagem TÃO tendenciosa e TÃO forçada! A impressão que dá é que quem a escreveu quer poque quer que sejam legalizadas as drogas...Ridículo
08/11/2013 - 14:56hs - Jose Roberto de Santana
kkkkkkkkk essas razões são uma comédia, acho que essa matéria foi escrita por algum maconheiro, pois ele deve esta fazendo parte de outro planeta. isso é Brasil maconheiro,lugar em que a constituição é mera ferramenta para ilustrar os quadros das leis desse país atrasado. vc acha que esse país pode se liberar a maconha ou qualquer outra droga? mas só sendo maconheiro mesmo...kkkkkkkkk
03/11/2013 - 11:17hs - Rafael
Referente a 2º justificativa, o crime provavelmente migraria no senário de atuação, sendo que os roubos seriam mais contantes e, roubos a bancos, que tem carater mais violentas aumentariam drasticamente em curto espaço de tempo. Mas entendo que seria bom a medio e longo prazo. Jovens de classe media e media alta usam muito mais drogas, em comparação a classes mais baixas. 3º Não vão legalizar tão sedo... muito politico tem suas campanhas financiadas com dinheiro do mercado ilicito de drogas. muitos.
01/11/2013 - 03:23hs - Lorhana
Não sou usuária de nenhum tipo de droga e mesmo assim sempre fui de acordo a legalização das mesmas. Não é só uma, nem duas razões para a legalização. Que fique claro, legalizando ou não só usa quem quer, por vontade própria. Ninguém é obrigado a usar, a diferença com a legalização é o fim do comércio principalmente, o que geraria uma certa redução da marginalização como acabar com a hipótese de assaltos para conseguir dinheiro para o uso da droga e etc. A diferença não está entre usar e não usar, e sim no próprio sistema, não é atraves da repressão que vamos resolver os problemas da nossa nação
12/10/2013 - 19:28hs - nilson

Vamos pegar o dinheiro gasto inutilmente com policia correndo atras de traficante e Juizes os soltando e vamos investir em clicas de recuperação e educação. Fingimos que proibimos, mas se você quiser comprar, basta vir no meu prédio e sai com a sacola cheia.

23/09/2013 - 09:57hs - Juliana
Por toda a nossa informação sobre drogas ilícitas na última década, ainda existe muita ignorância sobre assunto. Por exemplo, um dos grandes problemas da proibição é que o comércio fica restrito ao mercado negro - o produto é caro, e geralmente vem em pouca quantidade. Isso leva as pessoas a usarem drogas injetáveis, porque assim elas utilizam uma quantidade menor da droga e os efeitos são intensificados. E esse é o perigo, porque os entorpecentes usados dessa maneira induzem ao vício rapidamente, sem falar na propagação de doenças como HIV, porque as agulhas são reutilizadas por vários usuários. Num cenário de legalização, drogas injetáveis seriam desencorajadas, mas se necessário, o governo poderia oferecer agulhas descartáveis. Talvez não seja o método ideal de lidar com o uso de drogas, mas a alternativa não teve nenhum resultado positivo até hoje.
05/09/2013 - 21:00hs - Arnaldo
Paulo Ricardo - Alienado é vc seu animal.
08/08/2013 - 14:16hs - Danielle
Aos que são contra a legalização fica uma pergunta: E o álcool, os remédios controlados? Queridos, isso tudo não passa de uma hipocrisia. Se vocês não querem usar drogas, não as usem, simples! Eduquem seus filhos corretamente, com informações claras e verdadeiras, e ai sim estarão os protegendo. Proibir só estimula o uso por pessoas de cabeça fraca e os resultados nós já conhecemos, Na Holanda, os crimes reduziram tanto que delegacias estão sendo fechadas. e No Brasil? Quantos jovens morrem ou matam por que já estão na ilegalidade, porque fumaram um baseado ou cheiraram cocaína. O primeiro passo pra fazer os jovens caírem na marginalidade sem volta é discriminá-los logo de cara, quando fazem o que o ser humano tem por extinto: experimentar algo que não conhece.
07/08/2013 - 20:53hs - Paulo Ricardo Bobsin
Ora meus caros socialites..(socialistas?) a proibição do homicídio não funciona pois as pessoas ainda matam umas as outras..agora..por causa disso a solução seria regulamentar o uso do homicídio?Essa ideia seria absurda!
07/08/2013 - 20:50hs - Paulo Ricardo Bobsin
Absurdo pretender legalizar o uso de uma substância química ..ainda mais absurdo acreditar que usar drogas é sinal de lucidez...na minha opinião..defender o uso de drogar é defender a alienação!
10/04/2013 - 22:30hs - Fátima Rodrigues

Interessante

09/08/2010 - 23:28hs - Caioo Jão
álcool devasta a sociedade a anos e é vendido e consumido com a maior naturalidade... quantas pessoas foram mortas em acidentes de transito por usuarios de maconha? quem custa mais ao sistema de saude? álcool ou maconha? quem mata mais? cigarro ou traficante? sera que é pura ignorancia, não, é o sistema manipulando informação!
11/07/2010 - 18:33hs - Han
Tá certo! O governo é falho quando se trata da fiscalização do álcool e tabaco. Ainda assim não convivemos com a violencia do tráfico dessas substâncias, e seus comerciantes podem ser mais facilmente pegos e punidos quando não respeitam as regras. . Porém, o governo é mais falho ainda quando tenta impedir o comércio das drogas ilicitas sob guerras e prisões, levando à morte aos inocentes que nada tem a ver com as drogas. Por isso, a proibição do comércio é extremamente prejudicial à sociedade como um todo. O governo só poderá ter algum controle, ainda que precário, quando houver a legalização. Traficantes controlam o danoso mercado das drogas, não seguem regras e andam fortemente armados. E está errado deixar esse controle nas mãos de marginais. A proibição vem provando a cada dia que não funciona, dado o aumento constante do comércio e do consumo. . Podemos ser contra o consumo sem precisar ser contra o comércio.. que só fortifica o tráfico e não impede o consumo.
11/07/2010 - 18:32hs - Han
Tá certo! O governo é falho quando se trata da fiscalização do álcool e tabaco. Ainda assim não convivemos com a violencia do tráfico dessas substâncias, e seus comerciantes podem ser mais facilmente pegos e punidos quando não respeitam as regras. . Porém, o governo é mais falho ainda quando tenta impedir o comércio das drogas ilicitas sob guerras e prisões, levando à morte aos inocentes que nada tem a ver com as drogas. Por isso, a proibição do comércio é extremamente prejudicial à sociedade como um todo. O governo só poderá ter algum controle, ainda que precário, quando houver a legalização. Traficantes controlam o danoso mercado das drogas, não seguem regras e andam fortemente armados. E está errado deixar esse controle nas mãos de marginais. A proibição vem provando a cada dia que não funciona, dado o aumento constante do comércio e do consumo. . Podemos ser contra o consumo sem precisar ser contra o comércio.. que só fortifica o tráfico e não impede o consumo.
30/04/2010 - 13:05hs - Jaime Fortes do Carmo
O descongelamento do debate sobre drogas é uma das melhores novidades na arena pública brasileira recente. Faz um bem imenso que o assunto possa ser discutido sem a censura prévia do tabu, e que a razão possa afinal incluir-se entre os elementos envolvidos na conversa. O Debate sobre as Drogas e até mesmo sobre uma eventual liberação é mesmo importante e TODOS sabemos que algo precisa ser feito, a “coisa” está mesmo fora de controle. Mas pregar a simples liberação oficial das drogas com argumentos como Afastamento do Crime Organizado e redução da “Violência”, é no mínimo intrigante. Sabemos que mercado legal não afasta o Crime Organizado, temos o caso dos bingos, alguém ainda acredita que não existem manipulações de resulta O Estado Brasileiro em todos os níveis não da conta de fiscalizar os pontos de vendas de Cigarros e Bebidas, imaginem havendo ainda venda de “Drogas agora legais” nesses mesmos estabelecimentos comerciais, ou algum parlamentar nacional apresentaria uma emenda determinando que estes produtos só pudessem ser vendidos em Farmácias? Outra alegação constante quer nos fazer acreditar na redução da violência. Um usuário de crack que hoje pratique assaltos para se “drogar”, vai deixar de fazê-lo porque a droga passou a ser legal? Será que a indústria legal das drogas daria emprego a este viciado para que pudesse pagar por suas pedrinhas, ou Ele iria continuar com a mesma fonte de renda anterior? Os exemplos correntes tendem a levar a opinião pública na direção da “Guerra dos Soldados do Tráfico dos morros do Rio de Janeiro contra a Polícia Militar Carioca”, mas este não é o único problema de violência gerado pelas drogas. Assaltos a bancos não são mais uma fonte de renda dos “Guerrilheiros ou contra-revolucionários”, a Democracia chegou e os assaltos a bancos continuam no Brasil. A Discussão é valida e mesmo muito Importante, mas precisamos de muita seriedade quanto a isto! Jaime Fortes Agente Especial do DPF - Aposentado
Envie o seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
  Digite o código da imagem ao lado:    
 
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
LOGIN:  
SENHA:
Esqueci a senha
 
HOME    |    QUEM SOMOS    |    RSS    |    CONTATO
Le Monde Diplomatique Brasil - Copyleft - Rua Araújo, 124 - Centro - São Paulo - SP - Brasil - CEP: 01220-020 - Fone: (11) 2174-2005
A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons