Página inicial
17 de Setembro de 2014
Não queremos mais do mesmo
Silvio Caccia Bava
Benett
Charges publicadas recentemente na Folha e na Gazeta do Povo
Ferréz
Amanhecer Esmeralda nas livrarias
Maíra Kubík Mano
O confinamento palestino
Raquel Rolnik
Feiras livres: um patrimônio de São Paulo
Você se baseia em pesquisas eleitorais para escolher seu candidato?
Dependendo do quadro recorro ao voto útil
Não, meu voto independe do resultado das pesquisas
Sim, costumo votar em quem acho que vai ganhar
  Resultados 
Para receber digite o seu email.
ARTIGO
Tamanho da fonte: | |
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
EDUCAÇÃO
A homossexualidade nas escolas elementares

Recentemente, a Inglaterra adotou no ensino primário uma postura de aceitação do homossexualismo, apresentada por meio de histórias infantis com o objetivo de evitar futuras discriminações. O assunto, que exige uma reflexão mais profunda, é sinal de um novo momento histórico

por Ruy César do Espírito Santo

Noticiou-se recentemente que a Inglaterra adotou nas escolas primárias uma postura de aceitação da homossexualidade, apresentada por meio de histórias infantis, no sentido de evitar futuras discriminações.

O assunto exige uma reflexão mais profunda que simplesmente concordar ou discordar da medida. A humanidade sempre conviveu com a homossexualidade, bastando para tanto lembrar da Grécia Clássica onde era notório o relacionamento de parceiros masculinos. Assim, não se trata de um assunto novo no que diz respeito à sua ocorrência através dos tempos.

O desafio maior é a questão da sexualidade em si mesma. Lembremo-nos que somente no início do século passado, com Freud, tivemos o diagnóstico das repressões sofridas pelo ser humano no campo sexual, o que deu origem aos tratamentos psicanalíticos. Freud acentuava que a infelicidade do ser humano tinha origem nessas repressões, que permaneciam no inconsciente. Na sequência, o principal discípulo de Freud, Carl G. Jung, trata a temática de forma mais profunda, com o que foi denominado por ele de processo de individuação, que seria a integração do ego com o “self”.

Estas colocações iniciais são importantes porque, efetivamente, o que mais atingiu a humanidade em termos de sexualidade foram as repressões, sendo certo que a discriminação do homossexual é ainda consequência de tal postura.

E qual a origem de tais repressões? Sem dúvida, elas têm raízes numa interpretação de cunho religioso que situa a sexualidade como sendo o “foco” de todo o mal e a origem do assim chamado “pecado”.

Dimensão pecaminosa

Claro que tal interpretação não atingiu todas as culturas religiosas, como por exemplo a vigente na Índia, onde a sexualidade tem claramente uma dimensão sagrada. Porém no Ocidente, de forma acentuada, prevaleceu a afirmativa de que o sexo somente não é “pecado” no casamento... Em outras palavras, a sexualidade humana existe para a geração de filhos. Ora, se assim prevalece a relação homem-mulher numa cultura religiosa, o que dizer da relação homossexual? Impossível imaginar geração de filhos, salvo com a adoção.

Assim, o homossexualismo foi ganhando uma dimensão pecaminosa com a consequente discriminação. Nesse sentido é urgente trazer para a sala de aula, desde a escola primária, histórias infantis e mitos que não só abram espaço para as relações homossexuais, mas mais que isso, eliminem toda a “sujeira” e maldade atribuída à sexualidade. Veja-se que o encontro do ego com o “self”, referido por Jung –, em nenhum momento “exclui” a sexualidade... O sexo é parte integrante do ser humano, como o é o cérebro, os olhos ou o coração. A integração de um ser humano não pode excluir qualquer um de seus aspectos formativos.

O grande drama é a “ignorância” de si mesmo. Ignorância que não se confunde com analfabetismo, mas aquilo que Sócrates denominava de “conhece-te a ti mesmo”, como princípio de toda a sabedoria.

O ser humano que culturalmente sofre repressões de várias ordens, especialmente de ordem sexual, como já mencionado, permanece em níveis de ignorância de si mesmo que o conduzem a uma profunda infelicidade e falta de sentido existencial.

Do ponto de vista religioso – apenas para uma pequena referência, dada a complexidade de uma discussão nesse nível – temos tanto no Budismo, como no Cristianismo ou no Islamismo, o Amor como temática básica.

No cristianismo, que nos é mais próximo, temos a afirmativa bíblica que “Deus é Amor”, por sinal o título de uma encíclica do papa atual. Ainda na mesma Bíblia temos a afirmativa que o ser humano foi criado à Imagem e Semelhança do Criador. Ora, nesse sentido, nossa essência, metaforicamente falando, do ponto de vista cristão é o Amor.

Conexões humanas

Estou situando tal questão porque a sexualidade, como o olhar, por exemplo, deve ser uma oportunidade de vivência de tal Amor. Não importa se por razões genéticas ou emocionais tal sexualidade caminha para uma “homossexualidade”. O fundamental é que a criança cresça percebendo que todo seu corpo físico apresenta formas de acolhimento do Outro, portanto, formas de expandir sua essência: o Amor.

Curiosamente, naquilo que foi chamado de Encontro da Ciência com a Fé, temos o que a física quântica chamou de “vazio” presente no interior de um átomo, onde se torna um mistério a existência de matéria sólida em qualquer nível. O que existe, segundo Fritjof Capra, dentre outros, são “possibilidades de conexões” no “coração da matéria”. Veja-se o paralelo com as conexões humanas, ou seja, o Amor...

Trouxe essa reflexão porque estamos vivendo um momento da história da humanidade em que, após o adolescente humano perceber que podia destruir o planeta com a bomba atômica, em 1945, houve o “início” de uma nova fase chamada de “consciencialização” por Teilhard de Chardin e “conscientização” pelo nosso Paulo Freire.

Sim, estamos num momento de tomada de consciência de “si mesmo” – o autoconhecimento – e de nosso “mundo vida” como dizia Freire. A questão da homossexualidade não pode ser “excluída” da visão de totalidade advinda do avanço da ciência e da própria religiosidade, tal como apontado por Teilhard. Aliás, Teilhard diz em sua obra O fenômeno humano que “após percorrer longamente o caminho da análise, o ser humano chega à luminosa síntese”. Como diria Jung, estamos num momento de encontro dos chamados “opostos”: bem e mal, certo e errado, masculino e feminino, e assim por diante.

Esse “encontro dos opostos”, anunciado por Jung, nos conduzirá a uma superação do universo fragmentado em que tantas vezes ainda vivemos. Sim, são “exclusões” de ordem racial, sexual, econômica, religiosa, ideológica e assim vai. Tanto é verdade, que um movimento da maior relevância hoje presente na Educação é o da “inclusão”. O importante em tal movimento é que não se tratará simplesmente de “incluir” o “diferente”, mas sim cada aluno, que será sempre “singular” e precisará ser incluído... Insisto nessa questão porque um dos problemas do homossexual é, exatamente, sua “exclusão” de um grupo ou de uma classe.

A iniciativa anunciada na Inglaterra é um dos sinais desse novo momento da história, assim como da importância que adquirem as organizações não-governamentais e outras iniciativas visando conexões amplas no universo conhecido, como, por exemplo, a consciência ecológica, ou seja, a conexão com o meio ambiente.

Ruy César do Espírito Santo é professor de filosofia da educação na PUC-SP.


1          Espírito Santo, Ruy Cezar. O autoconhecimento na formação do educador. Editora Ágora/Grupo Summus, 2007.
2          Espírito Santo, Ruy Cezar. Renascimento do sagrado na educação. Editora Vozes, 2008.
3          Capra, Fritjof. O ponto de mutação. Editora Cultrix, 1988.
4          Chardin, Teilhard de. O fenômeno humano. Editora Cultrix, 1989.
5          Hoffman, Edward. A sabedoria de Jung. Editora Palas Athena, 2005.
6          Huxley, Aldous. A filosofia perene. Editora Cultrix, 1991.
7          Lutyens, Mary. Vida e morte de Krishnamurti. Editora Teosófica, 1989.

05 de Agosto de 2009
Palavras chave: Educação, Crianças, Homossexualidade, Preconceito
Compartilhe:
     | More
comentários
1 comentário
19/02/2011 - 23:13hs - Luís Henrique

Prezado professor, entender que o momento histórico que o senhor expressa que vivemos, é lamentável. Talvez um primeiro ponto, seria a de que o verdadeiro cristianismo não contempla o sexo somente como vias de manutenção da espécie - reprodução. Outro ponto, de que o Islã é uma religião do amor, um equívoco. O islã prega a morte de todos aqueles que o negam, dos infiéis. Essa é a base intrínseca de seus valores. Ainda, o cristianismo verdadeiro é ordenança o perdão e o amor aos inimigos. Mais, toda sociedade que tornou-se permissiva em relação às práticas sexuais não comuns (homem e mulher) sofreram declínio moral e algumas extinguiram-se. Já ouvi de estudiosos que os casais homossexuais têm uma relação muito mais tensa do que os casais heterossexuais. Se pudesse lhe indicaria fontes, desculpe-me. Outro ponto importante, hoje, com o discurso do politicamente correto não há mais opostos? Não posso não ser parte da maioria e ser respeitado por isso? Por que discordar está virando sinônimo de preconceituoso? Qual o problema de ter o livre pensamento de que é pecado ser homossexual? Ou de que ser hétero o seja? Já parou para pensar que a Lei sobre homofobia é heterofóbica? Segundo sua análise, não temos mais certo e errado? O que diz sua consciência?

Envie o seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
  Digite o código da imagem ao lado:    
 
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
LOGIN:  
SENHA:
Esqueci a senha
 
HOME    |    QUEM SOMOS    |    RSS    |    CONTATO
Le Monde Diplomatique Brasil - Copyleft - Rua Araújo, 124 - Centro - São Paulo - SP - Brasil - CEP: 01220-020 - Fone: (11) 2174-2005
A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons