Página inicial
28 de Julho de 2014
O verdadeiro programa da direita
Silvio Caccia Bava
Benett
E mais um monte de charges
Ferréz
Vendo Verdades
Maíra Kubík Mano
O confinamento palestino
Raquel Rolnik
Pamplona 395
Logo após a Copa do Mundo, o debate sobre a eleição presidencial deve dominar a agenda. Em comparação ao pleito de 2010, quais são suas expectativas quanto ao nível do debate eleitoral deste ano?
Com nível de debate melhor do que de 2010
Com nível de debate pior do que de 2010
O nível de debate será no mesmo de 2010
  Resultados 
Para receber digite o seu email.
ARTIGO
Tamanho da fonte: | |
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
ELEIÇÕES 2008
Garantir o direito à cidade

Durante o Fórum Social Mundial Policêntrico foi discutida e aprovada a mais nova versão da Carta

por Fórum Nacional de Reforma Urbana

• Exercício pleno da cidadania e gestão democrática

As cidades devem ser um espaço de realização de todos os direitos humanos e das liberdades fundamentais, assegurando a dignidade e o bem-estar coletivo das pessoas em condições de igualdade, eqüidade e justiça, assim como o pleno respeito à produção social do habitat. Todos têm direito de encontrar nas cidades as condições necessárias para a sua realização política, econômica, cultural, social e ecológica, assumindo o dever da solidariedade. Todas as pessoas têm direito a participar, através de formas diretas e representativas, da elaboração, definição, implementação e fiscalização das políticas públicas e do orçamento das cidades, para fortalecer a transparência, eficácia e autonomia das administrações públicas locais e das organizações populares.

• Função social da cidade e da propriedade urbana

Como seu fim principal, a cidade deve exercer sua função social, garantindo a todos o usufruto pleno dos recursos que oferece. Isso significa que deve assumir a realização de projetos e investimentos em benefício da comunidade urbana no seu conjunto, dentro de critérios de eqüidade distributiva, complementaridade econômica, respeito à cultura e sustentabilidade ecológica, para assegurar o bem-estar dos habitantes em harmonia com a natureza, para hoje e para as futuras gerações.

Os espaços e bens públicos e privados da cidade e dos cidadãos devem ser utilizados priorizando o interesse social, cultural e ambiental.
Todos os cidadãos têm direito a participar da propriedade do território urbano dentro de parâmetros democráticos, de justiça social e de condições ambientais sustentáveis.

Na formulação e implementação de políticas urbanas deve ser promovido o uso socialmente justo e ambientalmente equilibrado do espaço e do solo, em condições seguras e com eqüidade entre os gêneros.

As cidades devem promulgar legislação adequada e estabelecer mecanismos e sanções destinados a garantir o pleno aproveitamento do solo e de imóveis públicos e privados não edificados, não utilizados, subutilizados ou não ocupados, para o cumprimento da função social da propriedade.

Na formulação e implementação das políticas urbanas deve prevalecer o interesse social e cultural coletivo sobre o direito individual de propriedade e sobre os interesses especulativos.

As cidades devem inibir a especulação imobiliária mediante a adoção de normas urbanas para uma justa distribuição dos ônus e benefícios gerados pelo processo de urbanização e para a adequação de todos os instrumentos de políticas econômica, tributária e financeira e dos gastos públicos aos objetivos de desenvolvimento eqüitativo e sustentável.

As rendas extraordinárias (mais-valias) geradas pelo investimento público – atualmente capturadas por empresas imobiliárias e por particulares – devem ser geridas em favor de programas sociais que garantam o direito à moradia e a uma vida digna aos setores em condições precárias e em situação de risco.

• Planejamento e gestão da cidade

As cidades se comprometem a constituir espaços institucionalizados para a participação ampla, direta, eqüitativa e democrática dos cidadãos no processo de planejamento, elaboração, aprovação, gestão e avaliação de políticas e orçamentos públicos.

Deve ser garantido o funcionamento de órgãos colegiados, audiências, conferências, consultas e debates públicos, assim como o reconhecimento dos processos de iniciativa popular na proposição de projetos de lei e de planos de desenvolvimento urbano.

As cidades, em conformidade com os princípios fundamentais de seu ordenamento jurídico, devem formular e aplicar políticas coordenadas e eficazes contra a corrupção, que promovam a participação da sociedade e reflitam os princípios do império da lei, da devida gestão dos assuntos e bens públicos, da integridade, transparência e da obrigação de prestar contas.

As cidades, para salvaguardar o princípio da transparência, devem organizar a estrutura administrativa de modo que garanta a efetiva responsabilidade de seus governantes frente aos cidadãos, assim como a responsabilidade da administração municipal perante os demais níveis de governo e os organismos e instâncias regionais e internacionais de direitos humanos.

• Desenvolvimento urbano eqüitativo e sustentável

As cidades devem desenvolver planejamentos, regulação e gestão urbano-ambiental que garantam o equilíbrio entre o desenvolvimento urbano e a proteção do patrimônio natural, histórico, arquitetônico, cultural e artístico; que impeça a segregação e a exclusão territorial; que priorize a produção social do habitat e a função social da cidade e da propriedade. Para tanto, as cidades devem adotar medidas que conduzam a uma cidade integrada e eqüitativa.

O planejamento e os programas e projetos setoriais deverão integrar o tema da seguridade urbana como um atributo do espaço público.

• Direito à informação pública

Toda pessoa tem direito a solicitar e receber informação completa, veraz, adequada e oportuna sobre a atividade administrativa e financeira de qualquer órgão pertencente à administração da cidade, ao Poder Legislativo ou Judiciário, e das empresas e sociedades privadas ou mistas que prestem serviços públicos.

Os funcionários do governo da cidade ou do setor privado devem gerar ou produzir a informação requerida para sua área de competência em um tempo mínimo, mesmo que não disponham delas no momento do pedido. O único limite ao acesso à informação pública é o respeito ao direito de intimidade das pessoas.

As cidades devem garantir mecanismos para que todas as pessoas acessem uma informação pública eficaz e transparente. Para tanto, devem promover o acesso de todos os setores da população às novas tecnologias de informação, sua aprendizagem e atualização periódica.

Toda a pessoa ou grupo organizado, em especial os que auto-produzem sua moradia e outros componentes do habitat, têm direito a obter informações sobre a disponibilidade e localização de solo adequado, sobre programas habitacionais que se desenvolvem na cidade e sobre instrumentos de apoio disponíveis.

•  Participação política

Todos os cidadãos têm direito à participação na vida política local, mediante a eleição livre e democrática dos representantes locais, assim como nas decisões que afetem as políticas locais de planejamento, produção, renovação, melhoramento e gestão da cidade.

As cidades devem implementar políticas afirmativas de cotas para representação e participação política das mulheres e minorias em todas as instâncias locais eletivas e de definição de suas políticas públicas, orçamentos e programas.

• Direito à segurança pública e à convivência pacífica solidária e multicultural

As cidades devem criar condições para a segurança pública, a convivência pacífica, o desenvolvimento coletivo e o exercício da solidariedade. Para tanto deve ser garantido o pleno usufruto da cidade, respeitando a diversidade e preservando a memória e a identidade cultural de todos os cidadãos, sem discriminação alguma.

As forças de segurança têm entre suas principais missões o respeito e a proteção aos direitos dos cidadãos.  As cidades devem garantir que as forças de segurança pública sob suas ordens somente exerçam o uso da força estritamente de acordo com as previsões legais e sob controle democrático. As cidades devem garantir a participação de todos os cidadãos no controle e avaliação das forças de segurança.

Fórum Nacional de Reforma Urbana foi criado em 1987 e atualmente é coordenado por 26 organizações, movimentos e instituições.


04 de Maio de 2009
Palavras chave: direito, Fórum Social Mundial Policêntrico, planejamento Público
Compartilhe:
     | More
comentários
Envie o seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
  Digite o código da imagem ao lado:    
 
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
LOGIN:  
SENHA:
Esqueci a senha
 
HOME    |    QUEM SOMOS    |    RSS    |    CONTATO
Le Monde Diplomatique Brasil - Copyleft - Rua Araújo, 124 - Centro - São Paulo - SP - Brasil - CEP: 01220-020 - Fone: (11) 2174-2005
A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons