Página inicial
29 de Julho de 2014
O verdadeiro programa da direita
Silvio Caccia Bava
Benett
E mais um monte de charges
Ferréz
Vendo Verdades
Maíra Kubík Mano
Hoje é o Dia Nacional do Homem, vamos comemorar!
Raquel Rolnik
Diálogos com a Ocupação Eliana Silva
Logo após a Copa do Mundo, o debate sobre a eleição presidencial deve dominar a agenda. Em comparação ao pleito de 2010, quais são suas expectativas quanto ao nível do debate eleitoral deste ano?
Com nível de debate melhor do que de 2010
Com nível de debate pior do que de 2010
O nível de debate será no mesmo de 2010
  Resultados 
Para receber digite o seu email.
ARTIGO
Tamanho da fonte: | |
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
OS ULTRANACIONALISTAS
Extrema direita ucraniana, entre o nacionalismo e a desordem

As extremas direitas ganham terreno na Europa, ainda que muitas delas procurem adotar novos hábitos. Obviamente, tais movimentos desempenham seu papel na Ucrânia. O Svoboda e o Praviy Sektor esperam ganhar com a revolta popular contra o sistema corrupto do ex-presidente Viktor Yanukovich, deposto no dia 22 de fevereiro

por Emmanuel Dreyfrus

(Bandeira da Ucrânia tremula em homenagem aos mortos pela violência policial em Kiev)

Barricadas erguidas em pleno centro de Kiev, vigiadas por pequenos grupos de voluntários que se aquecem perto de braseiros improvisados. Um cenário que mistura bandeiras ucranianas e europeias, retratos do poeta Taras Chevtchenko (1814-1861), considerado um dos pais espirituais da identidade ucraniana, e de Stepan Bandera (1909-1959), tido como, dependendo do ponto de vista, um grande patriota ou um colaborador dos nazistas. Ou ainda dos cinco cidadãos que se tornaram heróis, mortos durante os enfrentamentos da Rua Groucheskovo.

Maidan, a Praça da Independência, epicentro do movimento de contestação que agita o país há cerca de três meses, é um amontoado de tendas de simpatizantes, vindos de toda a Ucrânia: Lviv, Ternopil, Ivano-Frankivsk, locais fortes do nacionalismo, mas também Lugansk e Donetsk, grandes cidades do leste industrial cujo coração sempre bateu para o lado da Rússia. Cossacos vestindo com orgulho seus trajes tradicionais. Mulheres de todas as idades carregando bandejas de pão preto e de carne de porco aos homens que montam guarda. Um cheiro penetrante de chá, sopa de repolho e madeira queimada. Durante a semana, alguns milhares de militantes participam das atividades correntes; no domingo, diversas dezenas de milhares de pessoas vêm assistir aos discursos dos dirigentes da oposição, rezando e cantando o hino nacional, que se repete incansavelmente.

O movimento surgiu no fim de novembro, em reação à suspensão pelo então presidente Viktor Yanukovich das negociações sobre um acordo de livre-comércio com Bruxelas.1 E Maidan se metamorfoseou. Juntando inicialmente alguns milhares de partidários pró-europeus, a praça se tornou, ao longo da repressão, o símbolo da revolta dos ucranianos de todos os tipos contra um sistema político sem escrúpulos e corrupto. Revolta diante do sistema Yanukovich em princípio, mas também rejeição aos partidos de oposição, ultrapassados por essa crise.

A implicação, minoritária mas muito visível, de diversos grupos nacionalistas, depois o surgimento de movimentos ultrarradicais que não reclamam valores democráticos nem professam simpatias europeias suscitam reações contrastadas. Por um lado, sua presença é abundantemente utilizada pelo Kremlin − e, na opinião de alguns, pelo regime ucraniano − para desacreditar o movimento. Por outro, ela suscita algumas inquietações sobre uma possível recuperação de Maidan pela extrema direita – mesmo que, na realidade, se trate antes de mais nada de um movimento popular, sobre o qual qualquer tentativa de categorização política seria reducionista.

Presente, a extrema direita extrai grande parte de suas referências do movimento nacionalista, que se desenvolveu a partir dos anos 1920, quando a Polônia e a Rússia soviética dividiam a maioria das regiões da atual Ucrânia. Encontramos nele, desde a origem, um emaranhado de influências: o fascismo italiano, a colaboração parcial – pragmática segundo alguns, ideológica segundo outros – de uma parte de seus representantes (como Bandera) com a Alemanha nazista, a participação de diversos batalhões ucranianos no massacre de civis judeus e poloneses durante a Segunda Guerra Mundial etc.

Como constata o cientista político Andreas Umland, professor da Universidade de Kiev-Mohylo, “nenhuma história objetiva foi feita sobre Bandera. Pintado como um fascista aliado aos nazistas pela historiografia soviética, ele é hoje incensado sem nenhum distanciamento pelos historiadores ucranianos. Seus admiradores de Maidan têm uma abordagem ingênua e parcial a respeito dele, o que é problemático. Ao contrário, qualificá-lo como fascista, como faz a Rússia, é igualmente parcial e desonesto”.

Adormecido durante o período soviético, o movimento nacionalista reapareceu depois da independência, em 1991, data da criação do Partido Nacional-Socialista Ucraniano (PSNU). Até o início dos anos 2000, o PSNU permaneceu uma organização marginal, xenófoba e ultranacionalista, cuja pequena influência era limitada às regiões do oeste. Seu atual dirigente, Oleg Tyanybok, foi eleito deputado pela primeira vez em 1998.

Ao longo dos anos 2000, o partido conheceu importantes mutações. Ele se libertou, durante seu sexto congresso, em 2004, de seus remendos fascistas: rebatizou-se de Svoboda (“liberdade”) e abandonou seu emblema neonazista, o Wolfsangel, para preferir um símbolo mais neutro. Comentando essas evoluções cosméticas, o pesquisador Oleksiy Leshenko, do Instituto de Análise Gorshenin, indica que “elas visavam sobretudo tranquilizar o eleitorado, mas também foram pensadas para criar uma melhor imagem do Svoboda fora das fronteiras”.

Em busca de respeitabilidade, o partido multiplicou os contatos com outras legendas de extrema direita europeias, como testemunha a presença de Jean-Marie Le Pen, presidente do Front National francês, convidado de honra do congresso de 2004. Além disso, o Svoboda moderou progressivamente sua postura nacionalista e suas referências a Bandera – longe de ser consenso na Ucrânia – para adotar um discurso mais genérico, bem comum no seio da extrema direita europeia, centrado na denúncia radical e veemente do “sistema”.

“Uma máfia judeo-moscovita”

Essa mudança de fachada não impediu Tyanybok de lembrar, como máximas retumbantes, a matriz xenófoba e antissemita da qual se origina. Em 2004, ele declarou que “uma máfia judeo-moscovita” dirige Kiev, o que fez que fosse expulso do grupo parlamentar Nacha Ykraina. Em 2005, ele dirigiu uma carta aberta ao presidente na qual pedia que “colocasse fim às atividades criminosas da judeuzada ucraniana”.

Nas eleições parlamentares de 2012, o Svoboda provocou surpresa ao conseguir cerca de 10,5% dos votos e pôr 37 deputados na Rada (o Parlamento). Com mais de 2 milhões de eleitores, ele tornou-se um partido de envergadura nacional, conquistando resultados significativos em outras regiões além do oeste, tradicionalmente mais receptivas ao nacionalismo.

O discurso antissistema do Svoboda contribuiu muito para seu sucesso eleitoral. Como indica Ivan Stoiko, deputado membro do partido de oposição Batkivshina (centro-direita) e “comandante” da Casa da Ucrânia, um dos prédios ocupados de Maidan, “o eleitorado, decepcionado pela classe política tradicional e em busca de mudanças radicais, foi seduzido pela retórica do Svoboda, por sua proximidade com o povo e por suas numerosas ações de campo”. Por sua vez, Yuri Yakimenko, diretor adjunto do think tank Razumkov Centre, estima que, dos 10% de votos obtidos pelo Svoboda, “o núcleo duro representa 5%. Os outros 5% votaram para marcar sua oposição às outras forças políticas”.

O Svoboda, “claramente sob os conselhos do Front National”, segundo Umland, desenvolveu um programa econômico dotado de uma dimensão social. Este prevê principalmente a reestatização de algumas empresas, a introdução de uma taxação progressiva sobre os lucros e a luta contra a tomada das oligarquias sobre o sistema político e econômico. Essas medidas, associadas à promessa de uma luta vigorosa contra a corrupção, seduziram amplamente algumas categorias de eleitores, pequenos empresários e membros das classes médias, que sofreram particularmente com a crise assim como com o nepotismo, que se acentuou ainda mais desde a eleição de Yanukovich.

O Svoboda também colheu os frutos de sua postura nacionalista, que, bem mais suave, continua central na identidade do partido. Ele conseguiu assim captar uma parte do eleitorado que tinha votado antes em Viktor Yushchenko, presidente de 2005 a 2010. “O período Yushchenko foi o mais fértil no plano da eclosão do nacionalismo”, observa Sophie Lambroschini, pesquisadora francesa instalada em Kiev. “Ele libertou a palavra no espaço público e político. Mas agora é o Svoboda que recupera os dividendos, já que o eleitorado nacionalista foi muito decepcionado por Yushchenko”.

Além disso, diversas ações realizadas sob a presidência de Yanukovich contribuíram para crispar uma parte do eleitorado ligada à defesa da língua e da identidade ucranianas, como a lei sobre as línguas regionais, promulgada no verão [do Hemisfério Norte] de 2012 e que visa principalmente fazer do russo a segunda língua oficial nas regiões que desejarem, ou ainda a redução do volume de ucraniano no ensino, sendo sua difusão considerada “inútil”, segundo o ministro da Educação, Dmytro Tabachnik.

A despeito de sua reorientação, o Svoboda continua ligado à extrema direita. Sua principal bandeira permanece a luta pelo desenvolvimento da identidade nacional, tendo como coroa o fim da influência russa no país. Em termos de política externa, esse combate se traduz pelo desejo de uma integração de Kiev na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), de um rearmamento nuclear e de uma saída de todas as estruturas de cooperação pós-soviéticas.

No plano interno, o Svoboda estampa entre suas prioridades a “dessovietização” do país: purificação e retirada dos antigos funcionários do Partido Comunista e dos agentes da KGB, mudança dos nomes das ruas e praças, retiradas das estátuas à glória de heróis soviéticos. Ele propõe também a abolição do estatuto autônomo da Crimeia e principalmente a promoção de uma identidade ucraniana por meio de uma série de medidas que vão da glorificação sistemática e sem distanciamento do movimento nacionalista à reintrodução da menção de pertencimento étnico ou religioso dos cidadãos em seus documentos de identidade.

Partidário da União pela Europa das Nações (soberanista), o Svoboda se mostra agora a favor de uma integração à União Europeia. Essa reviravolta pragmática tem mais relação com um movimento pontual de “união sagrada” com as outras forças de oposição, e com objetivos eleitoreiros, do que com uma adesão sincera, mesmo que a União também seja vista como um meio para se distanciar da Rússia.

Ainda que a imigração seja hoje um assunto secundário, o Svoboda é o único partido a denunciá-la e a propor medidas que visam à sua limitação, assim como a restrição de acesso ao sistema universitário para estudantes estrangeiros, ou ainda a concessão da nacionalidade apenas às pessoas nascidas na Ucrânia ou “etnicamente ucranianas”. Ele se defende da acusação de xenofobia, mas rejeita qualquer ideia de mestiçagem. “Defendemos os valores da família, a Europa das nações, contra o multiculturalismo, que eu considero uma política que visa à fusão entre diferentes culturas, o que não é possível”, diz Yuri Levtchenko, dirigente do Svoboda. “Veja na França: em vez de ter uma cultura nova nascida da imigração, vocês têm guetos. Não é lógico fazer conviver em uma mesma cidade culturas diferentes. Isso não pode dar certo.”

Svoboda decepcionou ao pedir calma

O partido inclusive procurou se livrar de seus indícios antissemitas, a tal ponto que Joseph Zisels, presidente da associação das comunidades judias da Ucrânia, garante com firmeza que “não há nenhuma ameaça contra os judeus vinda do Svoboda. Seus verdadeiros inimigos são os russos”: “Se é verdade que o Svoboda é o único grande partido a se referir a Bandera e a Choukievitch,2 o que, concordo, é desconfortável, esse partido não é, por isso, antissemita”. Isso não impede alguns deslizes, por exemplo, quando o deputado Igor Miroshnichenko, em novembro de 2012, refutava as origens ucranianas da atriz norte-americana Mila Kunis, declarando que ela era na verdade uma “jidovka”, termo ambíguo de gíria ucraniana designando uma pessoa de religião ou descendência judia.

Se o Svoboda brilha por sua presença em Maidan – controlando a imponente prefeitura de Kiev ocupada até o dia 16 de fevereiro –, ele tem de fato pouco controle sobre a situação, como, inclusive, os outros partidos de oposição. Esse vazio político, acrescido da violência utilizada pelo poder nas últimas semanas, constituiu um terreno favorável para o surgimento de novas estruturas, cujo estilo e orientação ideológica suscitaram muitos questionamentos.

Nascido das chamas da Rua Groucheskovo, a mais importante delas, o Praviy Sektor (“Setor Justo”) concentra agora alguns milhares de pessoas espalhadas por todo o país e se beneficia, pelo menos por enquanto, de uma real simpatia no seio da população. Pessoas desapontadas com o Svoboda, membros de formações ultranacionalistas, hooligans e perdidos se encontram em suas fileiras. O Praviy Sektor atrai um leque bem amplo de indivíduos cujo denominador comum é, primeiramente, o gosto pela ação radical e, depois, tendências a uma ideologia que Andrei Tarassenko, figura dirigente do movimento, nos descreve do alto de seu quartel-general superprotegido do quinto andar da Casa dos Sindicatos. “Nem xenófobo nem antissemita, como pretende a propaganda do Kremlin”, o Praviy Sektor se define, segundo ele, como “nacionalista, defendendo os valores da Europa branca e cristã contra a perda da nação e a ‘desreligionização’”. Rejeitando também o multiculturalismo, “responsável pelo desaparecimento dos crucifixos e a chegada das meninas de burca às escolas”, o Praviy Sektor não prega uma integração à União Europeia, “esse totalitarismo liberal no qual Deus desapareceu e os valores estão invertidos”.

Não apoiando nenhum dos partidos da oposição, principalmente o Svoboda, que decepcionou “por seus chamados à calma e suas negociações com o poder”, o Praviy Sektor poderia considerar se transformar em partido. Essa perspectiva seria constrangedora para Tyanybok. Além de ter visto sua imagem de tribuno antissistema seriamente diminuída por causa de seus chamados à moderação durante os enfrentamentos, ele poderia agora ter de lidar com um partido situado à sua direita e cujas façanhas e determinação são comprovadas.

O sucesso conquistado pelo Svoboda nestes últimos anos e o local ocupado em Maidan pelos grupos neofascistas como o Praviy Sektor dão testemunho do profundo mal-estar da sociedade. Mal-estar de identidade, em primeiro lugar, num país que em 22 anos de independência não conseguiu escrever uma história não partidária que incluísse positivamente o conjunto de suas regiões e cidadãos: hoje ainda os ucranianos considerados libertadores na Galícia são vistos como fascistas no Donbass, e vice-versa. Mal-estar político, em segundo lugar. Os ucranianos, decepcionados com a “revolução laranja”,3 exasperados, se voltaram em parte para um voto extremo, mais por despeito do que por adesão ideológica. Se Maidan ficará provavelmente na história como um formidável movimento de ação coletiva e cidadã, ele não oferece por enquanto nenhuma perspectiva política construtiva. Uma nova força, realmente a serviço do povo e transcendendo os múltiplos obstáculos da sociedade, surgirá? Ou o movimento desaparecerá progressivamente, exacerbando a desconfiança dos ucranianos diante de sua classe política, com todos os desvios que isso poderia implicar? As apostas estão abertas...

Emmanuel Dreyfrus

Consultor em relações internacionais e especialista no espaço pós-soviético.



Ilustração: Konstantin Chernichkin / Reuters


1 Ler Sébastien Gobert, “L’Ukraine se dérobe à l’orbite européenne” [A Ucrânia escapa da órbita europeia], Le Monde Diplomatique, dez. 2013. 

2 Roman Choukhevitch (1907-1950), outra figura do nacionalismo ucraniano, chefe de um batalhão ucraniano da Wehrmacht chamado Nachtigall. 

3 Ler Vicken Cheterian, “Révolutions en trompe-l’oeil à l’Est” [Falsas revoluções no leste], Le Monde Diplomatique, out. 2005.

06 de Março de 2014
Palavras chave: Ucrânia, direita, política, nazismo, Europa, partido, revoltas, protestos, Kiev
Compartilhe:
     | More
comentários
1 comentário
12/03/2014 - 20:12hs - Andressa Caroline Paranhos
Eu acho que essa crise na Ucrânia, e o escândalo da corrupçao, deveriam mostrar as pessoas pessimistas brasileiras que todos os países tem problemas. Mas a essência do problema é a crise de identidade que vive o povo, muito pela influência russa. Para aproximarmos da nossa realidade, podemos comparar com a influência dos E.U.A, que fazem sim o país perder um pouco da sua cultura. Mas defender esse radicalismo é loucura, o modo como eles estão sendo xenófobos, preconceituosos em relação ao multiculturalismo é assustador, me remete ao nazismo. Eles têm que cobrar melhores governos sim, e têm que lutarem para conseguir finalmebte conseguir suai idependência cultural, porque a partir daí, as questões políticas vão se resolvendo.
Envie o seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
  Digite o código da imagem ao lado:    
 
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
LOGIN:  
SENHA:
Esqueci a senha
 
HOME    |    QUEM SOMOS    |    RSS    |    CONTATO
Le Monde Diplomatique Brasil - Copyleft - Rua Araújo, 124 - Centro - São Paulo - SP - Brasil - CEP: 01220-020 - Fone: (11) 2174-2005
A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons