Página inicial
17 de Setembro de 2014
Não queremos mais do mesmo
Silvio Caccia Bava
Benett
Charges publicadas recentemente na Folha e na Gazeta do Povo
Ferréz
Amanhecer Esmeralda nas livrarias
Maíra Kubík Mano
O confinamento palestino
Raquel Rolnik
Feiras livres: um patrimônio de São Paulo
Você se baseia em pesquisas eleitorais para escolher seu candidato?
Dependendo do quadro recorro ao voto útil
Não, meu voto independe do resultado das pesquisas
Sim, costumo votar em quem acho que vai ganhar
  Resultados 
Para receber digite o seu email.
ARTIGO
Tamanho da fonte: | |
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
Microcrédito
Longe demais dos pequenos empreendedores

Os micros e pequenos negócios constituem a principal fonte geradora de trabalho e renda para os pobres no Brasil. O financiamento dessa atividade é estratégico para o desenvolvimento democrático, inclusivo e consistente

por José Caetano Lavorato Alves, Luiz José Bueno de Aguiar, Manuel Thedim

O Brasil tem sistema financeiro vigoroso e abrangente, com produtos sofisticados, para diferentes nichos de mercado. Suas estratégias de crédito convivem com programas de crédito direto ao consumidor, parcelamento de vendas indiscriminado e marginalmente a agiotagem, além de outros arranjos menos ortodoxos, como a antecipação de moeda corrente em troca de bilhetes e tíquetes de refeição e compras.

Sem acesso amplo e direto ao sistema financeiro tradicional, os empreendedores de baixa renda têm dificuldade em obter crédito adequado para sua atividade produtiva. Esta é a lacuna que as estratégias de operações de microcrédito produtivo se propõem a preencher.

Os pequenos e micronegócios constituem a principal fonte geradora de renda para os pobres no Brasil, mais de 70% das famílias são chefiadas por pessoas que trabalham no mercado informal. Segundo a pesquisa Economia Informal e Urbana de 2003, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), existem mais de dez milhões de empreendimentos informais urbanos. 87% correspondem a trabalhadores por conta própria. Nesse universo, 92% encontram barreiras ao desenvolvimento dos seus negócios. Sua persistência é atestada pelo fato de cerca de 70% dos entrevistados trabalharem na mesma posição há mais de três anos e 30% há mais de uma década. O serviço considerado mais importante é o fornecimento de crédito: 55% o consideram essencial.

O sistema financeiro tradicional não tem metodologia adequada para avaliar o risco de crédito do empreendedor informal, de baixa renda, a custo competitivo. Estes, por sua vez, têm dificuldades de comprovar seus rendimentos e apresentar garantias reais. Os poucos que registram o movimento dos seus negócios possuem sistemas de contabilidade e gerenciamento rudimentares e raros são os que têm patrimônio alienável ou liquidez.

O custo oportunidade é o alto para os bancos atuarem neste mercado. Operações de pequena monta, com um valor elevado de captação de informação, não são capazes de competir em um ambiente onde a regra do jogo são transações de porte, com taxas de juros elevadas, alta tecnologia de informações e comunicação e informações abundantes.

Pesquisadores e formuladores de políticas – fora da seara do setor público, concordam que, para superar as dificuldades, é preciso compor um amplo rol de políticas públicas, não apenas estatais, para criar as condições adequadas para o desenvolvimento empresarial e aumentar a qualidade do trabalho envolvido.

No Brasil, a sociedade civil foi pioneira na implantação da estratégia caracterizada como “microcrédito produtivo orientado”. Ao longo do tempo, algumas instituições financeiras governamentais – locais, estaduais e federal – também desenvolveram programas e linhas de microcrédito, aproximando-se destas operações.

A construção da experiência brasileira

Iniciado em 1972, em Recife, o programa União Nordestina de Assistência a Pequenas Organizações (UNO) é reconhecido como pioneiro. Outras instituições da sociedade civil desenvolveram-se posteriormente, a partir da década de 1980. Entre elas, duas importantes redes de ONGs, o Centro de Apoio ao Pequeno Empreendedor (CEAPE) e o Banco da Mulher contribuíram para a construção da experiência metodológica brasileira. Foram constituídas com a ajuda de instituições internacionais como UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância), Banco Mundial, BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), ACCIÓN Internacional (Organização de microempréstimos e microfinanciamentos) e GTZ (Cooperação Técnica Alemã).

Graças à estabilização da moeda, os anos 90 foram importantes para a organização das experiências de microcrédito. Surgiram nessa época iniciativas de instituições públicas, como o Programa Crediamigo, do Banco do Nordeste Brasileiro, e programas municipais e estaduais. O Governo Federal criou o PROGER (Programa de Geração de Emprego e Renda) e o PRONAF (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), repassados diretamente pelos bancos federais. Já o BNDES lançou o Programa de Crédito Produtivo Popular (PCPP) para aportar recursos financeiros a operações de instituições de microcrédito.

Ainda nesse período, o marco regulatório do setor começou a se delinear no “Comitê do Marco Legal” do programa Comunidade Solidária, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Visando o fortalecimento de ações que sustentassem uma “indústria do microcrédito”, prevalecia a visão de ampliação do sistema financeiro, para alargar a oferta de crédito ao produtor pobre. Complementarmente, entendeu-se o papel, ainda que com limites, mas de vanguarda, das instituições sem fim de lucro. Até então restritas pela lei da usura, abriu-se o caminho para a legalidade plena pelo estabelecimento da lei das OSCIPs (Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público) em 1999.

Surgiu, também, em Porto Alegre um novo modelo institucional de organização, a ONG ICC PortoSol (Instituição Comunitária de Crédito Portosol do Rio Grande do Sul), uma parceria do poder público local – estadual e municipal – e a sociedade civil. Iniciou-se então novo modelo de microcrédito, uma ferramenta de política pública, com participação estatal, voltada para o financiamento das atividades da população de baixa renda – o que ficou popularmente conhecido como “banco do povo”.

Novos operadores de microcrédito estabeleceram-se como ONGs, sem apoio ou participação estatal, depois se transformaram em OSCIPs. Surgiram também outros programas, operados diretamente por governos municipais e estaduais ou em parceria com a sociedade civil.

O crescimento e ampliação do setor e a difusão do interesse pelo microcrédito propiciou a organização de espaços de discussão como o Fórum de Microfinanças Rio de Janeiro e do Distrito Federal. O Banco Central também teve a iniciativa de promover seminários para debater temas importantes relacionados ao assunto. Todas essas movimentações formaram a base para a organização da Associação Brasileira dos Dirigentes de Entidades Gestoras e Operadoras de Microcrédito, Crédito Popular Solidário e Entidades Similares (ABCRED), da Associação Brasileira de Sociedades de Crédito ao Microempreendedor (ABSCM) e de outras associações regionais.

Fruto desse acúmulo, surgiu uma proposta de política nacional de financiamento da economia popular, que foi apresentada pela ABCRED aos candidatos à Presidência durante a campanha em 2002. Em 10 de abril de 2003, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em reunião com diversos ministros, recebeu o projeto das mãos de representantes da ABCRED e do Fórum de Microfinanças do Rio de Janeiro e da ABSCM.

Priorização do consumo

Entre priorizar soluções que garantissem fluxo de recursos para financiar a produção da população de baixa renda ou ofertar recursos para seu consumo ou livre uso, venceu, no primeiro momento, a proposta de aumentar a oferta de crédito de livre utilização e ampliar o acesso a contas correntes (popularmente chamado de “bancarização”). Em movimento equivocado do Governo Federal e do Conselho Monetário Nacional (CMN), os bancos foram obrigados a reter 2% dos depósitos à vista para crédito da população de baixa renda, a taxas limitadas.

Não há dúvida de que a “bancarização” tem aspectos benéficos. No curto prazo, amplia o consumo e estimula a economia popular, além de ser instrumento para a reestruturação de dívidas, com taxas de juros mais favoráveis, mas também tem efeitos colaterais potencialmente perversos, como a possibilidade de sobreendividamento sistêmico e aumento de inadimplência. Ademais, o crédito de livre uso, ou direto ao consumidor, estimula o consumo presente e compromete a renda disponível futura. Já o crédito voltado à produção contribui para a geração de renda futura.

O setor privado não aderiu à proposta de bancarização, porque não contempla suas metas de remuneração. Só ampliou sua carteira de clientes de mais baixa renda quando encontrou uma forma segura de redução dos riscos: a massificação do crédito consignado, para aposentados e empregados do mercado formal de trabalho, públicos e privados, cuja garantia de desconto direto em folha de pagamento assegura, a princípio, o retorno.

Ao fim de 2004, com a continuidade dos debates, o governo lançou o Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado (PNMPO), organizado, no ano seguinte, pelo Ministério do Trabalho e Emprego. O PNMPO deveria abarcar o conjunto dos financiadores das micro, pequenas e médias atividades produtivas, com know-how suficiente para viabilizar o acesso ao crédito; fortalecer as OSCIP, SCM (Sociedades de Crédito ao Microempreendedor) e Cooperativas de Crédito, com a implantação de um Programa de Desenvolvimento Institucional (PDI); e facilitar o financiamento de longo prazo das operadoras. Assim, as instituições financeiras públicas e privadas seriam estimuladas. Mas, apesar do embate empreendido pelo setor, as regras do PNMPO não preenchem os requisitos mínimos para o estabelecimento de meios dinâmicos, modernos e promotores do financiamento para o desenvolvimento local. Seu aprimoramento é essencial para fazer o setor decolar.

O PDI é base fundamental para a estruturação do microcrédito produtivo orientado e seu espraiamento pelo território nacional. No entanto, não há orçamento de longo prazo, o que inviabiliza um planejamento consistente que dê resposta à necessidade de organização e modernização.

Os fundos rotativos, que deveriam vir principalmente do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) e da exigibilidade de 2% dos depósitos à vista do sistema financeiro, estão represados e a legislação restritiva desestimula a aplicação efetiva em microcrédito. Além disso, a avaliação do programa no governo – seu espaço de liberdade, disponibilidade de recursos e articulação com outras áreas – demonstra a fragilidade da política pública. A organização institucional fica a cargo da assessoria do Ministério do Trabalho e Emprego, que não tem o desenvolvimento como foco principal; o programa não possui autonomia, estrutura própria e orçamento para estabelecer e garantir as políticas; os principais bancos públicos atêm-se a estratégias próprias, dando atenção residual ao microcrédito; e a formulação das normas que compõem o marco regulador do setor é tratada de forma burocrática e restritiva.

O Programa Nacional deveria abarcar o conjunto dos financiadores da atividade produtiva micro, pequena e média, com expertise suficiente para viabilizar seu acesso a crédito e fortalecer OSCIP, SCM e Cooperativas de Crédito, com a implantação de um programa de desenvolvimento institucional (PDI), além de facilitar o financiamento de longo prazo das operadoras. Instituições financeiras públicas e privadas deveriam ser estimuladas com a garantia de uma ambiência institucional flexível, capaz de dar a estabilidade necessária para incentivar investimentos de longo prazo e acomodar a diversidade dos territórios e organizações. A regulação do setor não deveria esperar que a realidade a ela se encaixe, mas facilitar seu aprimoramento, permitindo liberdade de definição de suas estratégias. Para isto, a compreensão e experiência dos atores são fundamentais para que as regras ordenem e institucionalizem relações estabelecidas. Apesar do embate empreendido pelo setor, as regras do PNMPO não preenchem os requisitos mínimos para o estabelecimento dessa ambiência dinâmica, flexível, moderna e promotora do crescimento das diversas formas de financiamento do desenvolvimento local. Seu aprimoramento é essencial para fazer o setor decolar.

O governo deu um passo positivo ao viabilizar o espaço de debate para o estabelecimento de um programa de financiamento da economia popular, utilizando o microcrédito produtivo orientado, mas é preciso reconhecer que, apesar das intenções reiteradas em diversas oportunidades pelo presidente Lula, o governo não tem como prioridade o financiamento da economia popular dentro de seu modelo de desenvolvimento. Isso é resultado das forças políticas que prevalecem na execução real de sua estratégia.

O Brasil enfrenta, hoje, o desafio de implantar uma política de longo prazo que dê condições e suporte a um crescimento democrático, inclusivo e consistente da economia popular. Financiar a atividade econômica dos empreendimentos populares é elemento estratégico de políticas que dinamizem os territórios e contribuam significativamente para a melhoria das condições de vida local.

José Caetano Lavorato Alves é mestre em administração pela Fundação Getúlio Vargas, fundador e ex-presidente da ABCRED Associação Brasileira dos Dirigentes de Entidades Gestoras e Operadoras de Microcrédito, Crédito Popular Solidário e Entidades Similares.

Luiz José Bueno de Aguiar advogado militante, é fundados e ex-diretor de assuntos institucionais de ABCRED, membro associado do IETS e consultor especializado em microcrédito e terceiro setor.

Manuel Thedim é economista, diretor executivo do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (IETS) e presidente do Fórum de Microfinanças Rio de Janeiro.


04 de Fevereiro de 2008
Palavras chave: Economia, Trabalho, Empresas
Compartilhe:
     | More
comentários
Envie o seu comentário
Nome:
E-mail:
Comentário:
  Digite o código da imagem ao lado:    
 
Imprimir  |  E-mail  |  RSS
LOGIN:  
SENHA:
Esqueci a senha
 
HOME    |    QUEM SOMOS    |    RSS    |    CONTATO
Le Monde Diplomatique Brasil - Copyleft - Rua Araújo, 124 - Centro - São Paulo - SP - Brasil - CEP: 01220-020 - Fone: (11) 2174-2005
A edição eletrônica de Le Monde Diplomatique é regida pelos princípios do conhecimento compartilhado (copyleft), que visam estimular a ampla circulação de idéias e produtos culturais. A leitura e reprodução dos textos é livre, no caso de publicações não-comerciais. A única exceção são os artigos da edição mensal mais recente. A citação da fonte é bem-vinda. Mais informações sobre as licenças de conhecimento compartilhado podem ser obtidas na página brasileira da Creative Commons